Amor de horizonte

Padrão

Passando pelas escarpas da serra
vendo ao fundo o horizonte deitado no mar.
Estou saindo da minha terra
que vai ficando abaixo
com seus rios e mangues.
Meu lar…
Sigo pensando neste mundo de guerra
cada vez mais perto,
vai mudando o ar…
A cada instante mais carregado,
lembro da minha terra
onde as crianças antes
aprendiam ao mar e sua grandeza amar.
Cheguei.
Pistas sem sentimentos
guiam zumbis treinados para servir.
Ninguém para sequer um momento
para contemplar ou mesmo sorrir.
Não faz parte do adestramento
deixar sobre a razão falar o sentimento.
E depois de presa uma emoção
ela não mais alcança as brisas e os ventos.
Sinto um pesar pelo povo que não olha ao longe,
não tem céu nem vê o horizonte.
Povo de coração calado
que habita este mundo de guerra…
Povo que só conhece o vertical
e por isso não vê coisas tão belas.
Quero ver ao longe,
olhar para o horizonte,
voltar para minha terra.
Angústia que só passará
quando eu descer de novo aquela serra.
Pro mar…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s